Vivermos realizados profissionalmente é fundamental para a harmonia do ser humano e para a sua felicidade. Esta realização está diretamente relacionada com a conexão que nos permitimos entre quem somos e aquilo que fazemos.

A nossa profissão deve ser a expressão coerente e alinhada da nossa identidade, dos nossos valores, da nossa visão, do nosso propósito.

Contudo, nem sempre isto acontece. Acabamos por viver mais em função do meio do que em função da nossa identidade. Decorrente da minha prática profissional, enumero os três pontos principais que identifico para este entrave.

1- Ausência de Clareza profissional

Este é, sem dúvida, um dos pontos chaves que marca quem está em busca de se sentir mais realizado profissionalmente. Muitas vezes observo, na minha prática profissional, que o cliente sabe o que não quer, mas o grande desafio é indicar de forma clara e objetiva o que quer.

Costumo dizer que o que acontece nestas circunstâncias é uma desconexão, ou seja, o cliente não sabe o que quer, do que é que gosta, no que é que quer focar a sua energia e em que direção quer seguir.

Alcançar esta clareza profissional é um processo importante e determinante para quem busca mais realização profissional.

2- O que te faz único

Outra questão bastante pertinente prende-se com a ausência de consciência do que nos faz únicos. Qual o conjunto de características, competências, talentos e paixões que, tal como a tua impressão digital, ou mesmo o teu ADN, não se repete.

O que a tua história e experiência dizem de ti?

Qual é a tua visão, o teu propósito, os teus valores?

Investir em mais autoconhecimento e traduzir a nossa essência em tudo o que fazemos profissionalmente é essencial para que a diferenciação aconteça.

A realização profissional pode ser vivida quando a conexão entre interior e exterior acontece e mostra a tua essência. Ou seja, o que tu fazes surge em consequência de quem és, do que valorizas e é uma expressão livre e genuína da construção que queres deixar no mundo.

“Qual a história que queres que contem a teu respeito?”

Torna-se clara a tua verdade, o que te move e qual a tua contribuição para o todo.

Não existe mais ninguém igual a ti e isso é extremamente poderoso.

3- Pedir ajuda

Por muito conhecimento que tenhamos, e por mais diversificado que ele seja, há sempre domínios que estão fora do nosso alcance.

Colocarmo-nos numa posição de “eu quero aprender mais para crescer e evoluir”, é, provavelmente, a atitude mental que mais se adequa.

É importante confiar e pedir ajuda.

Muitas vezes, existe uma boa quantidade de pessoas que estaria disposta a ajudar, contudo presume que tu não necessitas de ajuda.

“Que tipo de ajuda necessito? Quem me pode ajudar?”

Alguma proatividade e iniciativa neste âmbito facilitam e permitem que a tua ideia e plano avancem.

Eu acredito que cada um é, em si, uma peça do puzzle, mas para que a peça encaixe os seus contornos têm de estar bem definidos, a imagem deve ser clara e transparente a fim de compreendermos o seu encaixe e a sua importância. Todas as peças são importantes e complementares. Este puzzle permitirá, com certeza, um mundo com mais harmonia e felicidade que, inevitavelmente, depende de cada um de nós.

Cada um é uma peça fundamental para a harmonia do todo.