A maior parte dos profissionais no ativo acreditam que há algo de errado consigo por não se identificarem com o meio onde trabalham, acabam por sentir um desajuste completo do ambiente laboral com a sua personalidade e vivem realidades profissionais que nada têm a ver com a sua essência, acreditando que há algo de errado consigo.

Se fores como estes profissionais acabas por calar a tua voz interior e a tua verdade resignando-te a cumprir obrigações e a aceitar tarefas mesmo que na maior parte das vezes sintas que não é o correto e que não o devias fazer.

Soa-te familiar?

Eu compreendo e na realidade a culpa não é tua.

Há diversos fatores que desde a tua infância foram contribuindo para isto desde histórias que foste ouvindo sobre como estar e comportar face ao trabalho, bem como o próprio exemplo e influência que algumas pessoas que tinhas como figuras de autoridade exerceram em ti .

A verdade é que grande parte das vezes fomos educados para valorizar o local que nos oferece trabalho e cumprir de bom grado ordens para receber o ordenado no final do mês.

Mas talvez tenha chegado o momento de começar a perspetivar tudo de uma outra forma afinal como se sentiria um peixe fora de água, ou como se sentiria um pássaro dentro de água?

Na realidade não há nada de errado em ser peixe ou pássaro mas cada um tem que estar inserido no meio adequado para poder exercer bem a sua função e quando isso acontece tudo flui.

Acima de tudo tanto o peixe como o pássaro não estão a respeitar a sua natureza e assim acontece com muitos profissionais, nomeadamente com aqueles que não se identificam com o meio onde tentam exercer funções. Acontece que não estão a considerar, nem a respeitar a sua essência, o seu valor intrínseco.

Se para ti é importante este alinhamento com a tua essência, gostava de te convidar para refletires um pouco sobre este assunto. Começa inclusive por observar outras pessoas à tua volta .Conheces alguém em que sentes que este alinhamento acontece, ou seja, profissionalmente desempenham funções que lhes encaixam que nem uma luva. Parece que nasceram para aquilo. Conheces alguém assim?

Eu tenho a certeza que sim e grande parte das vezes acabam por ser bastante solicitados, requisitados têm sentido de missão e são bem remunerados como consequência do valor do seu contributo profissional.

A minha proposta para ti é que comeces a considerar a tua voz interior e a tua verdade.

Começa por considerar as tuas paixões, os teus talentos e identifica que competências precisas desenvolver para colocar todo o teu valor ao serviço dos outros e dessa forma dares o teu contributo.

Não há ninguém desprovido de valor para entregar aos outros a não ser que não tenha consciência de qual é o seu valor ou não tenha clareza sobre como pode entregá-lo.

Se continuares a considerar que não tens valor para oferecer aos outros e que na realidade deves continuar resignado ao meio que te dá sustento no final do mês, vais manter o padrão de desvalorização e de falta de reconhecimento que tens vivido.

Mas se estiveres disponível a considerar o teu valor intrínseco, tenho a certeza que queres evoluir como profissional e com certeza todos ficam a ganhar com isso.

Então gostava que considerasses como te vês profissionalmente daqui a 5 anos?

O que não estás a fazer, que se fizesses te iria aproximar do que queres alcançar para ti em termos de carreira?

Começa por enumerar 5 ações que podes implementar desde já.